quarta-feira, 12 de maio de 2010

Rios da 262

Esta é anotação de seis horas de viagem na rodovia 262, voltando de Uberlândia para Belo Horizonte. Num caso raro de dificuldade para dormir, resolvi anotar os poéticos - ou no mínimo curiosos - nomes dos rios cortados pelo asfalto. Eis o dito das placas:

- PONTE SOBRE O RIO QUEBRA ANZOL
- PONTE SOBRE O CÓRREGO COTOVELO
- RIBEIRÃO JORGINHO
- RIBEIRÃO MATADOR
- PONTE SOBRE O RIO SÃO JOÃO
- RIBEIRÃO DAS AREIRAS
- RIBEIRÃO DAS VACAS

[Vestígos das Gerais que em breve as obras do PAC podem apagar, substituindo o lirismo por nomes de doutores, desembargadores, políticos e afins....]

5 comentários:

homerman disse...

Uau... o.o

vpaulics disse...

morei perto de uma rua chamada borboletas psicodélicas. havia outra, a bela flor...
é uma pena, mesmo, que a topografia grafe cada vez menos o todo que somos e destaque partes. nem sempre mais nobres. nem sempre nobres.
o que seria de joão guimaraes rosa se desde sempre os vales só trouxessem nomes de doutores. e o que seria de nós sem os sertões...
beijo, boas viagens.

homerman disse...

Ah! Ontem, lá por Guarulhos, vi uma rua de nome: Olho D'Água do Casado.

Anderson Ribeiro disse...

Ruas, pontes... tudo vai se perdendo. Rua da Aurora em Recife e tantas outras. Como em Aracaju colocaram o nome da avenida que beira as praias de Aruana, Refúgio, Náufragos... de José Sarney. Pode?

Júlia Tavares disse...

rua borboletas psicodélicas? nossa, que loucura!!! rs... aqui nesta viagem pelo vale lembrei que a poesia - ou a falta dela - no nome das ruas vale para nome de cidades. Passei por Turmalina, Cristalina, Diamantina... além de Fruta de Leite... rs...
Adorei os exemplos de vocês..
Beijos!