quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Feliz Lavras Novas

Minha coleção de [en]cantos de Minas acaba de ganhar mais uma peça preciosa: Lavras Novas. Acesso via estradinha de terra próxima a Ouro Preto leva a este quase vilarejo onde as casas nascem e criam raízes tão profundas como as árvores. Onde a umidade trazida pela chuva constante de final de ano aumenta a sensação de que o infinito de montanhas possa mesmo ser o mar.

Por lá, a igreja centenária Nossa Senhora dos Prazeres (!) ainda é o prédio mais suntuoso das redondezas. Mas algumas excentricidades rompem o cenário quase intacto do ciclo do ouro: uma cruz cheia de penduricalhos em praça pública, uma extinta casa de chá com janelas tortas – da mesma dona de um oratório com escorregador embutido, uma taberna alemã onde se lê a placa “horses” e uma pousada em formato de cogumelo.

Nada como o novo...

Aos amigos, feliz 2009!


































Janelas abertas. Cruz que sustenta devaneios. Idéias que subvertem a ordem.

5 comentários:

Paulo Fehlauer disse...

Feliz año nuevo para ti también, chica! Besito desde Atacama... :)

Patrícia disse...

sua sensibilidade é tocante, amiga linda. que 2009 seja um ano muito melhor pra todos nós. amo você e este seu cantinho virtual aqui. beijo, beijo.

makely disse...

E você conheceu a dona da casa, Dona Susana?
Beijos

Júlia Tavares disse...

Não conheci!! Só fiz uma "apuração" de leve nas ruas para saber o mínimo sobre a casa maluca. Segundo um morador, ela deixou de vender chás "porque sempre aparecia gente achando que ela servia outras coisas". É isso mesmo? E como é a dona Suzana??
[artista plástica? feiticeira? arquiteta?]
Beijos, Makely!

makely disse...

Júlia, a Dona Susana é um pouco disso tudo e mais alguma coisa que ainda não identifiquei. E recomendo o chá dela!
Beijos