quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Pingado e pão na chapa

Não imaginei sentir tanta falta de sentar num balcão de padaria que sirva café com leite e pão na chapa. Ainda que o café esteja aguado e o pão amanhecido, não há nada melhor para um fim de tarde.

Ontem andei alguns quarteirões, faminta, em busca deste lanchinho tão trivial. Na padaria mais próxima de casa – com catraca para entrar, que vende sabão em pó, bananas, azeite e... pão – sequer havia balcão. Uma barata beirando uma prateleira de produtos me fez desistir de levar ao menos alguns pães de queijo. Passei ainda por uma sorveteria, uma casa de massas congeladas, um bar que só vende cachaça e terminei parando na confeitaria MOMO.

A MOMO é fina estampa. Tem doces que servem as festas mais badaladas da cidade. As trufas e os mousses são de dar água na boca. Por lá, consegui um café expresso com leite numa xícara de porcelana e uma coxinha que precisou de bastante katchup para descer. A fome não passou. Dá-lhe pão de queijo.

Amigos, preparem-se. Na próxima visita à Sampa, vai ser fácil (e barato) me agradar.

Um comentário:

zecarlos001 disse...

Ex-vizinha, por deveras, já me deparei com ortópteros domésticos (baratas) aqui mesmo na padaria Caiubí, donde, por muito tempo, você comeu (e eu ainda como) o pãozinho fresco de cada dia. Como sabemos, em Perdizes tem padoca de boa qualidade por todo o lado, mas por que cargas d'água a mais próxima da gente tinha que ser fuleira?!
Agora, o ‘barato’ (sem trocadalho) de sua aventura é pensar em tu, mujer, paulistana da gema, em Belzonte, feito ‘barata-tonta’ atrás de um pingado e um pão chapado.
Eitanóis! Vazei...