quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Cabeça de Boi












Casinhas de taipa habitadas por gente e por aranhas ainda existem em Cabeça de Boi, povoado simples de Itambé do Mato Dentro que experimenta um recente assédio de turistas de Belo Horizonte. Na única praça da vila, as casas antigas resistem entre pousadas do tipo pensão e construções inacabadas que prometem hospedar, em breve, quem topa pagar mais por conforto e vista para a montanha.

Por enquanto, continua por lá o bar-mercearia do seu Zé Agostinho. Mineiramente, ele oferece uma banana da terra frita – “o pessoal gosta” – com cerveja, toca modas de viola com uma inspiração de rasgar a alma, passa nas mesas para saber se estamos bem atendidos, pendura tudo num caderninho velho de folhas rasgadas, dá dicas um tanto enroladas sobre como chegar nas cachoeiras e, na hora do cliente ir embora, desculpa-se por não nos ter recebido direito...

No final da tarde, os poucos moradores do local reúnem-se em longa prosa no gramado em frente à igrejinha Pokemon, que tem missa uma vez por mês. A mulher do seu Agostinho, cabelos brancos e lisos na altura do ombro e vestidos impecáveis, é uma das comadres na roda de papo. Nesse alto verão, o dia dura até 8 da noite.

Mas nem tudo são flores. Os conterrâneos de Drummond de Andrade, pouco ligados em poesia, saem de Itabira atrás de farra e cachaça. Na ânsia por fazer sua festa particular, não se acanham em abrir o porta-malas do carro com funk e pancadão, sufocando a violinha de seu Zé Agostinho.

5 comentários:

thomaz disse...

dilícia!

ludmila ribeiro disse...

jujuju
tive lá no início de 2005, fiquei sob chuva lendo a primeira leva de livros do Itaú! terrinha boa demais né?! esse ano fui pra conceição (sem chuva!) mas não teve você lá! :(
qual será a próxima parada?

Anônimo disse...

Nossa! maravilha, estou anciosa pra conhecer este lugar. vc teria mais informações sobre lá? tipo: como chegar pra quem vai de carro, uma pousada e se pode acampar. Tô pedindo demias né, mas tô pesquisando e não encontro muitos dados.

Abraços,

Cíntia.

Júlia Tavares disse...

Olá, Cíntia, tudo bem?

O caminho mais seguro, saindo de BH, é por estrada asfaltada, passando por Itabira. Chegando em Itambé do Mato Dentro, peça informações da estradinha até o povoado Cabeça de Boi. O trajeto dura 40 minutos. Por lá você encontra pousadas simples, estilo pensão, sem banheiro privativo. Na época não cheguei a ver campings.... Mas é bom levar a barraca, né? Fiz contato com alguns lugares indicados neste site: http://www.descubraminas.com.br/
Em "Hospedagem", procure por Itambé do Mato Dentro.

Boa viagem!
Abraço,
Júlia.

Paulo Henrique disse...

O lugar é demais.... Fiz uma trilha de bike de Morro do Pilar para Cabeça de Boi esse fim de semana e fiquei encantado... Pensei que lugares bucólicos assim não existiam mais...